domingo, 30 de agosto de 2009

Twitter é nitroglicerina pura, o que é excelente!



A paisagem acima é o Twitter. Um campo vazio, sereno, lugar para dar uma parada durante uma viagem, descer do carro, bater um papo, tomar uma cervejinha, explorar um pouco.

A paisagem acima é o Twitter. Tire a estrada do canto (é um aterro recente), substitua-a por mar, diminua talvez mais ainda a linha da costa. reconhece o lugar? Chama-se Termópilas, fica na Grécia e foi onde 300 espartanos enfrentaram 1 milhão de persas, em uma das batalhas mais sangrentas da História.

Estou vendo muita gente desiludida com o Twitter, esse campo está povoado de ovelhas dente-de-sabre que na falta capacidade para construir algo, preferem se unir em uma anti-sinergia, onde 1+1 dá menos que 1, atacando desesperadamente tudo e todos, em busca de uma notoriedade que não conseguirão.

O Patrulha do Twitter chega a ser patética. Atacam uma criança de dez anos por cometer um erro de português, e atacam a MIM pelo mesmo motivo, menos de 12h depois de ter declarado publicamente que sequer sei escrever os "porquês" corretamente (não me mandem links).

Isso é frustrante. Assim como a dimensão que se deu ao caso da Xuxa; uma mãe defendendo a filha e assustada com a fúria com que caíram em cima dela. Não sei exatamente em que parte do contrato para pessoas famosas está escrito que elas tem que aceitar sorrindo enquanto uma menina de 10 anos é chamada de puta e piranha, como fizeram diversas vezes no dia.

Melhor: Depois que Xuxa desceu aos porões do Inferno e foi praticamente igualada a Hitler, um site tentou uma brincadeira; escreveu uma reportagem com informações de que a Xuxa iria processar e fechar o Twitter. Como sempre acontece nesses casos, os histérico-desesperados leitores de títulos correram repassando a notícia, adicionando sua indignação-do-dia aos RTs.

A mensagem subliminar ao final do texto provavelmente passou despercebida.



A mídia de verdade chegou a pegar a notícia, um site do Piauí publicou com direito a atribuição falsa de fontes. Jornalismo de primeira.

Já os blogs sérios não caíram no conto. Em Outubro de 2006 um experimento meu com as clássicas Fotos do Acidente do Vôo 1907 da Gol demonstrou o perigo dos leitores de título E a incapacidade geral de interpretação de texto. Isso deixou muita gente de orelha em pé, o que é bom.

A notícia da Xuxa entretanto não explodiu. Em menos de 24h muito pouca gente repassava a informação e cada vez que alguém o fazia era soterrado por uma avalanche de respostas avisando que era uma notícia falsa.

Algum tempo atrás um desses sites de nãotícias de celebridades "Bruno Gagliasso atravessa a rua" - juro, teve uma assim publicou fotos da Lynn, filha do Ritchie, desfilando de biquíni na praia. Tudo muito bom, tudo muito bem mas... não era ela. Ritchie prontamente comunicou, e a notícia se espalhou entre sua base de fãs.

E a QUEM MAIS interessa, a uma pessoa pública manter informados do que seus fãs? São eles que inciarão as campanhas, eles que invadirão as redações, eles que mostrarão de verdade o que estão pensando.

O Twitter é um campo de batalha, mas não somos 300 contra um milhão, somos UM e vencemos. Porque não importa o que saia nos jornais, TV, no Ego, no New York Times, se for algo sobre uma pessoa que eu gosto e acompanho, irei checar a veracidade no Twitter da pessoa.

Temos uma fonte confiável que pode ser confrontada diretamente. Ontem mesmo Leo Jaime avisou: Uma declaração minha em tom de brincadeira será usada fora de contexto. Deu os detalhes e desarmou a bomba antes mesmo de ela ter sido finalizada.

ISSO é um uso construtivo do Twitter, e admiro quem percebe e se utiliza disso.

Se o Twitter existisse nos anos 80 o Mário Gomes nunca teria o trauma que tem em relação a legumes ricos em betacaroteno. Afinal, quando mais explosivo o boato, melhor para os dois lados. Como todo mundo que cresceu vendo Sessão da Tarde sabe, nitroglicerina é a melhor coisa para apagar incêndios em poços de petróleo.

10 comentários:

A Planária Autista 30 de agosto de 2009 01:05  

Qualquer outro canal de comunicação, ou melhor, o Twitter (a bola do momento)atiça as pessoas a falarem a primeira coisa que vem à cabeça, o que, na maioria das vezes, é idiotice. Vestem-se em avatares e saem por aí a despejar o mais pérfido sobre quem aparecer primeiro. Não há contexto no Twitter, não há criança, não há explicações posteriores. Parece que sempre estamos imersos naquele clímax de filme de suspense mal feito, aquela tensão barata denovo conflito. Tiroteios ao léu, isso que tem parecido o twitter. Alguns pensam que aparecem com simples palavras soltas e comentários que nem chegam a ser comentários, propriamente ditos... Pena deles...

Polliana

Anônimo,  30 de agosto de 2009 02:56  

Nuuussa! Agora me pesa menos não conseguir memorizar as malditas regras do "porquê".

Quer dizer que tu também é normal, sujeito! ^^

Subtil,  30 de agosto de 2009 04:16  

Não pode mandar links ? nem a noticia que saiu no JB ? http://jbonline.terra.com.br/pextra/2009/08/28/e280826289.asp

Anônimo,  30 de agosto de 2009 06:55  

O mais interessante nesse caso da notícia fake da xuxa foi o seguinte: o blog plantou a informação, que rapidamente ecoou em alguns veículos, daí o mesmo blog postou outra notícia colocando mais lenha na fogueira, citando os veículos que tinham caído no post anterior que ele próprio tinha feito, dando ainda mais "autenticidade" a brincadeira! GENIAL!

A Planária Autista 30 de agosto de 2009 10:07  

Quanto à regra dos porquês, eu ensino fácil, fácil!

Polliana.

Ana Cristina Cattete Quevedo 30 de agosto de 2009 14:11  

Você é realmente uma pessoa especial, Cardoso.

:)

Gosto de gente com o mínimo de bom senso e ética.
O que é MUITO difícil de se encontrar hoje.

Carla 1 de setembro de 2009 01:03  

Olaa Cardoso
Te sigo desde que iniciei no twitter, e foi por acaso, pois antes nuca tinha ouvido falar de você. Porém é a primeira definição que leio mais genuína sobre o que é o twitter.A comparação com batalha das Termópilas foi perfeita. Parabéns
Vou continuar sua seguidora com muito orgulho
Um abraço

Felipe Toffolo 2 de setembro de 2009 11:55  

O perigo do Twitter é a facilidade da má influência sobre os acefalados. Ele potêncializa a capacidade de mover a massa burra. Se Hitler tivesse Twitter tinha ganhando a segundona com certeza. Mas ele tb dá a mesma oportunidade para os "aliados", é só saber usar.

Anônimo,  6 de novembro de 2009 16:32  

Ficou com pena? Leva as duas pra casa.

Postar um comentário

Passaralho Twitteiro. Todos os direitos reservados.

  © Design by Dicas Blogger.

SUBIR